E ai, você é a favor ou contra?



O sistema educacional de Nova York está prestes a tornar pública uma lista com informações sobre o desempenho de mais de 12 mil professores da cidade nos últimos três anos. A classificação, conhecida como Relatórios de Dados dos Professores, é baseada em um tipo de avaliação docente que determina a "qualidade" do professor, levando em consideração as notas atingidas pelos alunos em provas padronizadas.
Segundo o jornal The New York Times, o pedido para ter acesso aos dados veio da própria mídia. Desde 2010, o sindicato de professores vem brigando nos tribunais norte-americanos para que os números continuem sendo sigilosos, servindo apenas como base para a elaboração de políticas públicas. Os advogados do sindicato argumentam que a divulgação dos dados violaria o direito de privacidade dos professores, já que eles teriam seus nomes divulgados ao lado das notas.
O ex-secretário municipal de Educação de Nova York Joel Klein, que criou os relatórios em 2008, apoia a decisão de divulgar a classificação. No entanto, o atual secretário Dennis Walcott se mostrou preocupado com o efeito moral que isso pode causar aos professores. "Eu não quero que nossos professores sejam estereotipados", declarou Walcott ao The New York Times, em setembro de 2011. "Eu não vejo problema em os nomes estarem lá, pois devemos ser transparentes. Por outro lado, eu sou responsável por garantir a proteção da nossa força de trabalho e não deixar que notícias de jornal denigram sua imagem, porque eles estão dando o melhor para fazer seu trabalho".


Eis o que nos diz o artigo Professores na Berlinda publicado no blog da Revista Educação.

E ai professor, se isso estivesse acontecendo aqui no Brasil. Você acha que seria a melhor solução publicar as notas e os nomes dos professores que foram avaliados? Seria este um grande passo para garantir qualidade na educação?

Deixe sua reflexão! 

Abraço
Vanessa Vieira

2 comentários :

Faça seus pensamentos presentes! Nunca se cale!!!
Obrigada por comentar!

 
Layout feito por Adália Sá | Não retire os créditos